quinta-feira, 17 de novembro de 2016

o sentido da morte


a vida tem coisas curiosas
e a morte também...

todos os dias a via
é certo que ultimamente
mais parecia uma sombra
do que tinha sido.

tentei acompanhá-la
à uma última morada
e, na hora da chegada
enganei-me, não na morada,
mas na hora indicada:

tarde
cheguei a outro funeral
mesmo a tempo de partir

(em tudo vejo um sinal
e neste, vi a morte a rir).

..........

claustros
tremem as palavras 
das árvores de betão
caídas
nas janelas fechadas
por outra mão.

já as dores são idas
e só o rasto da morte
deixou as arcadas cerradas.

a rua é um claustro
onde ainda se respira.


Sem comentários:

Enviar um comentário