sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

chuva no olhar

cai a chuva miudinha 
rios de gotas estendidas
na janela da vizinha

e as ilusões perdidas 
espreitam pela vidraça 
ao olhar de quem passa.

3 comentários:

  1. de um lirismo muito belo
    remete-me para o António Nobre, o poeta do SÓ!

    gostei muito

    abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. aos olhos da vizinha que, de certeza, nunca leu "o livro mais triste de Portugal", há só uma rua, que não a levam nem à Lua.
      Abraço, Amigo Manuel, gostei que gostasses e... bom domingo.

      Eliminar
  2. Muito belo momento de poesia.
    Com o lírico lenço sempre se podem limpar lágrimas de criaturas angelicais.
    Abraço.

    ResponderEliminar