segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

ser...

ser...

quero o silêncio pelo meio
entre o que foi e há-de ser

quero um outro amanhecer
com um sorriso em teu seio

quero também sentir o vento
e me deslumbrares em marés

e se não for pedir muito, o alento
de seres aquilo que és.

4 comentários:

  1. Caro amigo, um poema leve com um peso profundo.

    Ser.
    Entre o que se é
    e o que se deseja
    ser é sempre e só presente.
    Na ara sacrificial
    da trintade mágica de três
    singelas letras,
    a prova irrefutável
    da vida.

    Abraço

    ResponderEliminar
  2. teias que o amor tece
    abraço. caro Luis

    ResponderEliminar
  3. Muito belo o teu poema, Luís!

    Uma limpidez textual, densidade e inspiração excelentes.
    Admirável este teu talento de percorrer o caminho poético
    em diferentes formas expressivas e sempre com
    excelência e inspiração singular, amigo.
    Bj.

    ResponderEliminar
  4. Luis
    Levei este poema por empréstimo.
    :)

    ResponderEliminar