sábado, 29 de maio de 2021

sábado, 22 de maio de 2021

chamamento

empoleirado
no mais alto ramo
o pintassilgo canta
ora virado a um lado
ora a outro
encantado.

sei que é ele
pelo vibrar da cauda.

domingo, 16 de maio de 2021

sonhar...


foto do autor

tenho um disco voador

no tecto

que não voa por temor

parado

sem rodar 

à espera que possa embarcar.


quase lhe consigo chegar.


da cama 

vejo-o a querer descolar

mas não pode.

se conseguisse desprender-se

caía-me na cabeça

direitinho

até se (me) estilhaçar.


este disco voador

que não voa

faz-me sonhar

que um dia qualquer

entro nele

e lanço-me num outro lugar.

segunda-feira, 10 de maio de 2021

livro

metade de mim e' passado
outra metade
cuidado
em te ter ao meu lado.

amanhã serei o livro
fechado
que terás por fim guardado.

quarta-feira, 14 de abril de 2021

verdes são os campos...

é tudo verde:

verde a inocência
a verdade
a decência;

é verde a honra
a justiça
a transparência;

é verde o dinheiro
a corrupção
a fineza;

é verde a cor da certeza
o pensamento
o sentimento.

tudo é verde
e um cheiro de podridão
nasce 
das águas estagnadas da nação.

terça-feira, 30 de março de 2021

A Fonte


Antigamente
A água nascia
Debaixo da pedra
E ela corria
Pura, que se via
Na alma dela.

A fonte crescia
E mais tarde
Descia
Fresca
Aos lábios dela.

O rio esperava
Ainda sereno
Sem curvas
Sem medo
Colar sua boca
'A boca dela.

Assim namoraram
Assim se casaram.

Mas veio a chuva
Cheia de inveja
E do rio se riu
E da fonte, esqueceu.

E não satisfeita
Por pura maldade
Transbordou o rio
E a fonte morreu.

Morna

Dou o meu amor
A quem envolver
Esta dor
De gente
Esta trova
Dolente
Com guitarra
A tocar uma morna
Comovente.

Adornar o coração
Na emoção da canção.

Darei o que tenho
A quem vier ao que venho.

quinta-feira, 25 de março de 2021

a flor



Ao colher uma flor
do jardins por onde passo
comigo levo esse amor
no gesto simples que faço.

Mas ao captar tal beleza
efémera na minha mão
fica-me a firme certeza:
mais belas são onde estão.

quarta-feira, 17 de março de 2021

primavera

 

canta, cotovia  

a tua sinfonia

que o rio é lençol

de lodo no cais

entre canaviais

mas um quente sol.

segunda-feira, 4 de janeiro de 2021

azul

deslizas pela janela
flor silvestre
em azul
que busca o rosto
do lado de dentro
pálido
no ar frio da manhã.

já os dedos se estendem
aos raios de sol
na carícia dum beijo
a beber cristalinas pérolas
desprendidas
lágrimas feridas
dos teus olhos a esmorecer.

escondo o branco lenço
refreado sentimento
dum adeus
que não quero teu
nem meu.